20161201091809213

20161201091809213

Muito possivelmente você já viu na TV ou leu no jornal um caso em que um adulto usava identidade falsa na Internet, mentia sobre sua idade e contanta meninos ou meninas buscando benefícios sexuais. Se você tem filhos pequenos ou adolescentes, que estão em contato direto com o mundo virtual, você está correndo risco. Precisa entender o que é grooming e como ele ocorre.

Por definição, Grooming (do inglês) é a ação de aliciadores que buscam contato com menores através da Internet com o intuito de conseguir algo relacionado a sexo, que podem ser fotos, vídeos e até mesmo o contato físico por meio de encontro presencial.

O aliciador aproveita o anonimato proporcionado pelas redes para encontrar formas de se aproximar do menor e conseguir seus objetivos. Geralmente, o grooming acontece por meiro dos seguintes passos:

  • contato: o aliciador entra em contato através de alguma rede social, bate-papo, e-mail, jogo online, entre outros. Pode ser “curtindo” ou comentando uma foto, enviando um convite para jogar ou iniciando uma conversa.
  • amizade: feito o contato, começa a fase da aproximação por meio da amizade. Busca-se entender os gostos do menor, seus horários, com quem vive e qual sua rotina. Se questionam problemas, se sugerem soluções e se passa o sentimento de familiaridade e conforto.
  • conversas sobre sexo: após sentir que já existe uma amizade constituída e fluidez na conversa com o menor, o aliciador começa, aos poucos, a introduzir temas de cunho sexual e nudez. Pode ser por meio de perguntas simples, como se o menor já beijou pela primeira vez, por exemplo.
  • encontro: nem sempre a relação constituída virtualmente termina com encontro físico. No entanto, a possibilidade é grande, assim como são grandes as chances de algo perigoso acontecer, como uma violação sexual.

O que fazer para evitar o grooming?

É difícil impedir o contato de menores com estranhos, principalmente quando os filhos são adolescentes. Por isso, a importância de os pais manterem um diálogo aberto e conscientizar os menores a respeito dos riscos relacionados em crimes como o grooming.

shutterstock-144041308a

Se você precisa de ajuda extra para identificar um possível quadro de grooming, fique atento a estas dicas:

  • cheque o histórico de páginas acessadas para saber por onde o menor navega;
  • instale os filtros de controle de privacidade oferecido pelas redes sociais e pelos navegadores, que são as principais ferramentas usadas pelos aliciadores;
  • verifique os contatos que seu filho tem nas redes sociais e pergunte sobre desconhecidos. Se você desconfiar de algo, entre em contato com a pessoa ou até mesmo a bloqueie;
  • procure ter o computador em local coletivo da casa, como na sala, por exemplo. Assim, fica mais fácil saber o que seu filho está fazendo quando usa a Internet.

Caso desconfie de algo estranho, lembre-se que situações assim podem e devem ser denunciadas. Entre em contato com a polícia e busque um advogado especializado para ajudar você a remover conteúdos indesejados e a buscar modos de chegar ao aliciador para tomar as medidas legais necessárias.

Qual a punição para quem comete grooming?

Os crimes de grooming estão previstos na Lei 11.829/2008, conhecida como a Lei da Pornografia Infantil, com penas que podem superar os 10 anos de reclusão, além de pagamento de multas.

Segundo a Lei, aliciar, instigar ou constranger a criança ou adolescente com o intuito de praticar ato libidinoso resulta em reclusão de um a três anos. Já coagir, recrutar, intermediar, produzir, reproduzir, registrar cena de sexo explícito ou pornografia envolvendo menor significa prisão que varia entre quatro e oito anos.

E as penas podem aumentar. Quando o crime é cometido por uma pessoa que exerce cargo público ou se prevalece de funções domésticas, de parentesco ou hospitalidade para usar o menor em troca de favores sexuais, a Lei prevê aumento de um terço sobre a condenação. Todas as penas, além da reclusão, implicam ainda pagamento de multa.

Fonte: mundoadvogado

Santiago e Advogados Associados

Santiago e Advogados Associados

logosantiagonova-2016